seria possível cultivar seres humanos como se fossem plantas? a resposta poderia abalar o equilíbrio de poder no mundo! entretanto, tudo que se necessitaria, seriam as lendárias sementes de cadmo!

Alguém já disse que a pseudociência de hoje, amanhã será ciência. Bem, essa é uma longa discussão, mas, no que se refere à hq, Semente de Cadmo, de 1957, podemos dizer que ela confirma, de alguma forma, a afirmação acima. Se considerarmos que o primeiro bebê de proveta nasceu em 1978, e que Dolly, supostamente a primeira experiência bem-sucedida de clonagem animal, nasceu em 1996, não se pode negar que existem alguns elementos premonitórios no enredo da hq de Joe Simon e Jack Kirby - talvez não seja por acaso que este último é chamado de Deus por muitos de seus fãs. 

Tem mais Simon e Kirby nesta página!

hammond drake, cientista, viajante no tempo, faz amigos estranhos em um mundo do futuro e encara a oportunidade de enfrentar o último inimigo do planeta terra!

002.jpg
003.jpg
004.jpg
005.jpg
006.jpg
007.jpg
008.jpg
009.jpg
010.jpg
011.jpg
012.jpg
013.jpg
014.jpg
015.jpg
016.jpg
017.jpg
018.jpg
019.jpg
020.jpg
021.jpg
022.jpg
023.jpg
025.jpg
024.jpg
026.jpg
027.jpg
028.jpg
029.jpg
030.jpg
031.jpg
032.jpg
033.jpg
034.jpg
035.jpg
036.jpg
037.jpg
038.jpg

A história O último inimigo (1957), escrita e desenhada por Jack Kirby (1917-1994) e Joe Simon (1913-2011), trata de um tema premente à época da primeira guerra-fria, qual seja o peso do poder atômico nas disputas entre governantes de nações com programas rivais de controle econômico das populações da Terra.

Em que pese a relativa inocência dos autores, encarnada no personagem humano da história, os dilemas morais apresentados por eles valem pelo fato de, outra vez, agora em pleno século 21, as mesmas nações voltarem a encenar a comédia de terror de que se valem para manter a humanidade refém do medo e da insegurança.

Interessante notar que elementos literários semelhantes aos deste trabalho de Simon e Kirby podem ser encontrados na distopia imaginada por Pierre Boulle, e descrita no livro O planeta dos macacos, publicado apenas em 1963. Por outro lado, um curioso paralelo estético e de conteúdo também se poderia, talvez, estabelecer com a série de quadrinhos Maus (1980 - 1991), de Art Spiegelman (1940), que começou a ser publicada vinte e três anos depois do aparecimento de O último inimigo. Neste caso, a curiosidade fica por conta do fato de que, também em Maus, foram desenhados como ratos os personagens que ameaçavam a liberdade dos demais!

A próxima história a ser publicada nesta coleção é um dos marcos iniciais da parceria prolífica entre Joe Simon Jack Kirby, datada de 1940.

bb0.jpg