Mundo de pesadelos (1952), de Basil Wolverton (1909-1978), traz em seu enredo marcas do sempre crescente impacto cultural da psicanálise de Freud e da ciência em geral.

A figura do cientista que, imprudentemente, desafia convenções foi retomada inúmeras vezes, na literatura e no cinema, desde que Mary Shelley (1797 – 1851) publicou Frankenstein (1818). Uma variante do mesmo personagem apareceu, por exemplo, em 1886, quando Robert Louis Stevenson (1850 – 1894) publicou O estranho caso do dr. Jekyll e do sr. Hyde.

Já o tema da confusão entre sonho e vigília recebeu grande atenção na produção artística após a publicação de A interpretação dos sonhos (1900), de Sigmund Freud (1856 – 1939).

Em breve, coletâneas especiais abordando os temas do cientista alucinado e do sonho serão publicadas em nossa coleção.

Comentários? Dicas? Sugestões? Críticas?

Use o formulário abaixo para falar com a gente!

Obrigado!